As crianças e a tecnologia

Segundo Pedro Strecht, existem três palavras-chaves que definem a estrutura psíquica de muitos jovens de hoje: impulso, imediatismo e insatisfação. Estas palavras revelam formas de estar associadas ao modo de vida atual, na qual a tecnologia e o excesso de açúcar são elementos constantes desde os primeiros anos de vida da criança.

A criança não precisa de telemóvel, de tablet ou de playstation para crescer bem. Pelo contrário, estes são instrumentos que prejudicam o seu crescimento e a afastam do que realmente é importante, designadamente aprender a brincar, a interagir e a comunicar com os pares e com os adultos, conhecer o mundo que a rodeia, viver experiências diferenciadas, num ambiente com rotinas, regras e limites.

Crianas e Tecnologia dias de sousa blog 01

A criança não precisa ver televisão na hora do jantar, mas precisa conversar com os pais e outros familiares sobre o seu dia; não precisa de um jogo do telemóvel para que os pais jantem de modo mais tranquilo, mas preci

Quando faz uma birra, a criança precisa ouvir um “não” firme, aprendendo assim a lidar com a frustração de não conseguir o que quer.sa aprender a jantar cumprindo as regras inerentes ao contexto; não precisa do tablet ou do telemóvel enquanto viaja de carro com os pais, mas da voz do pais que podem cantar ou contar histórias enquanto ela aprecia tudo o que a rodeia.

A contenção, a regulação e a organização do estado emocional da criança é fundamental até aos 3 anos de vida. Nesta fase, a função de “holding”, ou seja, do envolvimento físico e emocional dos mais pequenos é a base de um crescimento saudável. A criança não precisa estar sozinha com o telemóvel, com o tablet ou qualquer outro equipamento, mas precisa sentir-se tocada, pegada, embalada, precisa de conforto emocional e físico, por parte dos adultos que a rodeiam.

Brinque com o seu filho e afaste-o de tudo que também o afasta de si.

STRECHT, Pedro. 2018. Hiperatividade e Défice de Atenção. Fundação Francisco Manuel dos Santos

Equipa da Creche